É com um imenso prazer que nós, do Bear Nerd, entrevistamos Daniel Mainé, esse talentoso ursinho espanhol super fofo que está lançando a sua primeira hq, EL ABOMINABLE HOMBRE DEL CUARTO OSCURO, que será publicada pela Diabolo Ediciones. Confira agora como foi a entrevista:

BN – Em primeiro lugar, obrigado por participar aqui do projeto Bear Nerd. Começando do básico: conte-nos a sua origem secreta e como você se descobriu nerd e urso?

Eu sabia que era gay desde criança, mas levou algum tempo pra montar esse quebra-cabeça direito, então só depois dos 17 anos, quando tive internet em casa pela primeira vez e descobri toda essa informação sobre o “mundo gay ursino” é que o quebra-cabeça passou a fazer sentido pra mim. O meu lado nerd se manifestou bem mais cedo, eu me lembro de ler meus primeiros gibis da Marvel Comics quando eu tinha só uns 4 anos e desde então eu tenho lido gibis, assistido programas de TV nerds e desenhado histórias, a maioria roteiros incompletos ou só desenhos a lápis. Mas foi num dia em 2008 que eu parei e pensei, “Tá legal, você á desenha há um tempão, vai começar a levar isso a sério?”. Então aprendi algumas técnicas novas, um pouco de design gráfico, comprei uma mesa gráfica e decidi começar a usar a internet pra tornar meu trabalho “visível”. Eu criei meu primeiro blog, “Flashes Before your Eyes”, e como uma “filial”, eu expandi o “Flashes”pra todas as redes sociais disponíveis. O que formou meu “próprio universinho”, do qual o componente gay ursino é uma parte importante. E é por isso que Bearton City tem seu próprio blog.

BN – Quais são as suas influências?

Essa pergunta é difícil. Minhas principais influências artísticas são da Indústria dos Quadrinhos. Carlos Pacheco, Olivier Coipel, Humberto Ramos e Sean Galloway (que foram imprescindíveis para o visual final dos Beartonianos), Alex Ross, Joss Middleton, Adam Hughes, Stuart Immonen, Ivan Reis, James Jean, Skottie Young…Sem esquecer dos artistas ursos maneiros, como Christophe Jannin, Xbeart, Don Chooi, Noel ou a Ap Bear Gallery, que em trabalhos sensacionais que me ensinaram muito também. Mas, no final das contas, você percebe que pode aprender alguma coisa com qualquer artista, profissional ou amador. Eu curto observar o trabalho de outras pessoas, aprender como eles desenvolvem suas habilidades, suas linhas, arte-final, cores, como desenham rostos, composição, dinâmica, inspirações…enfim, tudo que eu puder pra aprender coisas novas. Por exemplo, outro dia eu estava assistindo um vídeo do artista de Ultimate Spider-Man, David Lafuente, e observando suas linhas, e a maneira como ele colocava “luz” em alguns “olhinhos” num quadrinho, e era uma coisa pequena, as graças a isso eu consegui resolver um problema que eu estava tendo nos meus próprios quadrinhos com olhos pequenos. Então, como eu disse, todo artista pode ser uma influência.

BN – O projeto de Bearton City já era uma coisa antiga? Como foi a concepção e o desenvolvimento dele?

Foi uma ideia que estava na minha cabeça desde 2007, quando eu escrevi o primeiro roteiro de “Bearton City” como uma paródia de “Batman & Robin”, onde o Bestia tinha a versão beartoniana do Batman como mentor. Uma história simples de 80 páginas, numa cidade onde quase todo mundo é gay, e eles lutam contra o rime e com algumas piadas sexuais. Havia outros personagens, como o Iron Bear ou o Rainbow Kid, mas eles só apareciam em um quadrinho ou outro…

Mas por alguma razão, eu abandonei o roteiro pra trabalhar em outros projetos. Dois anos atrás, eu comecei o blog, postei uns desenhos de personagens gorduchos como o Iron Bear ou o Green Lighter, e achei que eles eram bem engraçados,. Então, decidi desenhar séries de ilustrações com aquele ipo de personagem ursino, como os “Sinisters Bears” ou “Angels and Demons”. Mas foi em 2009, que eu tive a oportunidade de ir a uma convenção chamada “Set de Comic”, em Lleida, na Espanha, onde você podia mostrar seu trabalho pra editores profissionais e tentar ser publicado. Decidi tentar viabilizar “Bearton City” como um gibi de super-heróis gays, reescrevendo a história como algo maior, fazendo um grupo de super-heróis ursos ao invés de uma dupla dinâmica, e colocando algumas cenas de sexo (que eu admito que tem sido um pouco difícil, por que eu não estava acostumado a desenhar esse tipo de cena).

Então eu ganhei a confiança da Diabolo Ediciones pra publicar o projeto, e foi assim que nasceu o Bearton City atual, com 140 páginas, e que será publicado mês que vem com a primeira história, “O Abominável Homem do Dark Room”.

BN – Você já usava a internet para divulgar seus trabalhos há algum tempo. Isso te ajudou ao procurar uma editora para Bearton City? Como está sendo a experiência de preparar um livro para publicação em papel, ao contrário de soltá-lo na rede?

Quando eu comecei a desenhar a sério, o principal problema era como me tornar “visível e conhecido”, quando eu obviamente não era nenhum dos dois. Eu precisava de uma maneira fácil, barata e rápida de apresentar meu trabalho às pessoas, e usar blogs e redes sociais como “cartão de visitas” foi a melhor maneira, eu realmente recomendo. Mas como eu disse anteriormente, a grande oportunidade pra mim foi a Convencion “Set de Comic”. Pillar Lumbreras e Lorenzo Pascual, meus editores na Diabolo Ediciones se animaram com o projeto desde o começo, e me derma liberdade pra desenvolver Beartoncity do jeito que eu queria, e por isso eu estou muito feliz em publicar com eles.

E o sentimento… É sensacional! Às vezes eu ainda não consigo acreditar, eu fico trabalhando e penso “Hey, você vai ser publicado!” e fico com um sorriso besta. Eu tenho certeza que toda vez que eu vir Beartoncity numa Comic Shop eu vou ficar muito orgulhoso.

BN – O que podemos esperar após El Abominable Hombre del Cuarto Oscuro?

Eu sempre considerei BEARTONCITY como uma história que eu curto desenhar e escrever, com personagens que eu adoro, mas não é a única história que eu quero contar. Então, agora que Beartoncity está pra ver a luz do dia, eu vou trabalhar em outros tipos de histórias, algumas com ursos e outras não. Tem uns projetos bacanas na fila, sendo desenvolvidos e algumas colaborações também. Mas podem estar certos que, se os beartonians funcionarem, eu estou cheio de ideias pra gibis de Beartoncity. Tem muitas histórias pra contar, partes da cidade que eu adoraria explorar mais profundamente, como a luxuosa Nasgard ou o Centro Leather da cidade, origens secretas e talvez alguma coisa do espaço sideral. Cruzem os dedos!

BN – Obviamente, Bearton City tem tudo a ver com o fato de você ser urso, e várias das suas ilustrações são focadas em personagens ursos, ou versões “ursificadas” de personagens conhecidos. Essa foi uma decisão consciente, ou um processo natural? O quanto ser urso é importante no desenvolvimento do seu trabalho?

É claro que há muita inspiração gay ursina nos meus últimos desenhos e em Beartoncity, é uma parte importante das minhas influências e tem muito a ver com quem eu sou e com o fato de eu ser um homem gay e urso. No caso de Beartoncity, trata-se de um quadrinho totalmente gay e urso, então situações e temas gays são pertinentes. Mas como eu disse, eu não quero trabalhar só com histórias gays ou de humor, eu quero trabalhar em outros projetos. Talvez haja personagens gays neles ou não. Mas quando eu penso em como eu gostaria que eles aparecessem, eu penso em séries de TV como Doctor Who ou Torchwood, que tratam personagens gays como algo completamente normal, parte dos estilos de vida corriqueiros das pessoas, e esse é o melhor jeito de escrevê-los ou desenhá-los.

BN – Mais uma vez, obrigado pela entrevista. Este espeço é seu. Deixe o seu recado!

Eu só quero dizer pras pessoas que gostam de desenhar (e sei que tem muito talento bruto por aí), que nunca se rendam, continuem desenhando, continuem se inspirando, escrevendo ou pintando todo dia, por que essa é a chave pra desenvolver suas habilidades artísticas. Desenhe TODO DIA, mesmo que você esteja tendo um dia ruim. Se você quer levar a coisa a sério, é assim que tem que ser! E nunca pare de aprender!

E, claro, obrigado ao pessoal do Bear Nerd pela entrevista e por divulgar a Beartoncity no seu site, que aliás é um site bem maneiro com muita coisa bacana! Obrigado à Diabolo Ediciones por acreditar no meu projeto e publicá-lo. E, como eu sempre digo, “eu só espero que as pessoas curtam ler o meu trabalho tanto quanto eu curto fazê-lo”. Eu tenho certeza que vocês vão gostar de Beartoncity, vai ter humor, ação, sexo, barrigas peludas e – por Odin! – é uma cidade cheia de super-heróis gays e ursos! Não é maneiro??

E segue agora um preview exclusivo phodástico que o Daniel nos mandou seguida de uma ilustração que ele fez especialmente para o nosso site:

Lembrando: você pode ver mais do trabalho do Daniel no site oficial de Bearton City, clicando aqui!