Berd Pré-Cine: Homem-Aranha no Aranhaverso

Woof, Berds!

Homem-Aranha no Aranhaverso é o melhor filme do Homem-Aranha.
Ponto. Até a próxima.

Ah, vocês querem review? Então, toma review! Vamos lá, e aviso que teremos alguns pequenos spoilers da trama:

Miles Morales é um adolescente do Brooklyn que ganhou uma bolsa de estudos numa escola hi-tech de elite, e está tendo problemas pra se adaptar. Sente falta da escola antiga, dos amigos e tenta desajeitadamente se aproximar da colega “Gwanda”, além de ter certa dificuldade em lidar com as expectativas do pai policial. De vez em quando, dá uma escapada do semi-internato da escola pra passar um tempo com seu tio boa praça, com quem pode dividir seu gosto musical e sua paixão por grafite. O Homem-Aranha é o grande herói da cidade, adorado e celebrado por todo mundo, menos pelo pai de Miles. Num de seus passeios com seu tio Aaron, Miles é picado por uma Aranha geneticamente modificada. Pouco depois, sintomas estranhos começam a se manifestar no garoto e, na tentativa de descobrir o que está acontecendo, ele acaba tendo um encontro com o Homem-Aranha e com o magnata Wilson Fisk. Esse encontro vai mudar a vida de Miles pra sempre.

Esse é, resumidamente, o ponto de partida de Homem-Aranha no Aranhaverso, o sétimo longa-metragem para o cinema estrelando o Cabeça de Teia.

A animação conta com MUITOS pontos a seu favor: Primeiramente, a trama. Envolvente e bem desenvolvida, a história do longa é muito boa. Apresenta todos os personagens, ideias, viradas e origens (sim, tem muitas origens nesse filme!) de forma clara e direta ao espectador. Nem quando somos apresentados ao elenco de SEIS homens-e-mulheres-aranha a história fica confusa. Isso, por si só, já é uma grande qualidade.

Empatada com a trama, está a qualidade dos protagonistas. Miles Morales é, para o público dos anos 2010, o que Peter Parker era para os leitores dos anos 1960. Um personagem engraçado, cativante, inteligente e com quem o espectador pode facilmente criar um vínculo, Miles é O GRANDE ACERTO do elenco. Não que os outros fiquem muito atrás. O Peter Parker quarentão (que acaba servindo como um mentor para Miles) e a Mulher-Aranha são acompanhantes perfeitos para a jornada de amadurecimento do nosso herói. Mesmo os coadjuvantes com menos tempo de tela conseguem brilhar, e não me refiro apenas aos excelentes Aranhas de outras dimensões mas também à personagens como a Tia May e Mary Jane, além da família de Miles. E me permitam falar dos vilões.

De uma forma ou de outra, vários dos principais vilões do Homem-Aranha fazem aparições no filme. o Gatuno, por exemplo, tem uma participação muito importante com um desfecho não muito surpreendente mas bastante satisfatório. O filme faz uma versão muito divertida de outro clássico vilão do Aranha, o Dr. Octopus. Mas o destaque aqui vai para Wilson Fisk, o nosso velho conhecido Rei do Crime. Com uma motivação interessante e um design maravilhoso, completamente transportado das tintas do artista Bill Sienkiewicz, ele é um ótimo contraponto aos nossos heróis.

Aliás, o design dos personagens e a direção de arte são um verdadeiro desbunde. Com cenas que parecem uma transposição quase mágica dos códigos e convenções dos quadrinhos para a tela, Homem-Aranha no Aranhaverso é um triunfo visual. Sério mesmo, sem medo de exagerar, não se parece com nada que eu tenha visto anteriormente numa animação pro cinema. Texturas, cores, grafismos e efeitos visuais são magnificamente usados pra compor a cara do filme e ajudar a contar essa história. A trilha sonora também é muito bacana.

No geral, pra mim, o filme é um triunfo em todos os sentidos. Visual, narrativa, personagens e, principalmente, os TEMAS que sempre ancoraram o Homem-Aranha foram usados da melhor maneira possível para dar vida a essas pessoas imaginárias. E dá muito, muito certo. Além disso, o filme é COALHADO de referências aos gibis então, divirtam-se procurando por elas!


Título original: Spider-Man: Into the Spiderverse

Ano de produção: 2018

Estréia no Brasil: 10 de janeiro de 2019

Elenco: Shameik Moore, Jake Johnson, Hailee Steinfeld, Liev Schreiber, Mahershala Ali, Nicholas Cage, Kimiko Glenn, Lily Tomlin, Lauren Vélez, John Mulaney, Zoe Kravitz, Kathryn Hahn, Brian Tyree Henry

Nota:


P.S.: Há uma cena pós-créditos que vocês vão adorar. Fiquem até o finzinho por que ela é pós-créditos MESMO.

P.S.2: Stan Lee tem uma participação muito bonita no filme. Apropriadíssima homenagem póstuma ao cara que colocou essa bola em jogo.

Comentários

Facebook