Golem – Cap 12 – Meu nome é Abeô

Capítulo 12 – Meu nome é Abeô

Autor: Osíris Reis
Arte: Marco Bym

Obs: Péra! Pára tudo! Você ainda não conhece Golem, a saga super megalomaníaca que mistura literatura, tesão ursino e toda uma reconstrução imaginativa do mundo, do universo e tudo mais? Ficou sem ler algum dos capítulos da primeira temporada? Então não perca tempo: clique AQUI , visite nosso ÍNDICE e comece a aproveitar  (eu disse ) essa história que já está dando muito o que falar entre os ursinhos aqui do Bearnerd. Você pode ler tanto aqui no Bearnerd (desde que você nos ajude compartilhando, pelo pagsocial,  que você está lendo Golem) ou pode adquirir o seu único e exclusivo pdf (com a primeira temporada completinha), todo formatado para ler no celular, pela bagatela de R$ 3,95 , na lojinha deste autor que vos fala (que também tem outros livros meus, impressos, para seu deleite).

Obs2:  Apesar do que o protagonista acredita, homossexualidade não é maldição, nem doença, nem aberração. Pelo contrário: é um fenômeno absolutamente normal em inúmeras espécies da natureza. Na verdade, existem cada vez mais estudos sobre as vantagens evolutivas da homossexualidade, vide este link


 

 

Aidan tomou a dianteira, nadando para um conjunto de pedras na parte direita da praia. Abeô fez o possível para segui-lo de perto, mas, sem as chamas, o piche voltara a deixá-lo lento. Ainda estava na metade do caminho quando o ruivo começou a escalar as pedras. O africano, mais que depressa, buscou concentrar seus milhares de olhos nas luzes da praia, mas não pôde deixar de reparar que Aidan era, de fato, totalmente tatuado.

O lugar, felizmente, estava vazio. Mesmo assim, Aidan continuou agachado, escondendo a nudez com as próprias pernas dobradas. Enquanto esperava pelo africano olhava, rapidamente, em todas as direções, apreensivo. Mal Abeô começou a escalar as pedras, ele colocou-se entre o mesmo e a praia, murmurando:

— <<Tente ficar o mais abaixado possível. Siga em frente na mata, passe pela estradinha e continue reto.>>

O africano obedeceu sem grandes delongas. Fora da água, recobrava a agilidade normal, como se não estivesse com o piche ao redor. Avançou entre as pequenas árvores, subindo a encosta até uma estradinha de cimento. Enquanto observava que Aidan o seguia de perto, cruzou a estradinha e novamente entrou na mata, com árvores cada vez maiores. Em determinado momento, o ruivo parou e sussurrou:

— <<Bem… pelo menos esse seu líquido negro não deixa rastros>>

Ainda abaixando, Abeô parou e avaliou o caminho que tinham percorrido. Não tinha prestado atenção, até então, mas de fato não deixava pegadas de piche. De alguma forma, a hipótese lhe parecia estranha demais, como se fosse abandonar parte de seus olhos a cada passo.

— <<Então…>> – Aidan continuou – <<…Consegue se passar por humano?>>

O africano observou as próprias mãos e braços, tentando imaginar um jeito de tirar o piche fora. Sabia que aquela coisa era forte e resistente, mas que também o deixava se mover livremente. A questão era se deixaria, por exemplo, que seu polegar e indicador humanos se tocassem por baixo daquela camada negra. E foi isso que ele decidiu tentar.

Mal Abeô pensou nessa possibilidade, o piche abriu caminho entre seus dedos, permitindo que se tocassem de fato. Quase imediatamente, sentiu sua pele humana sugar, de alguma forma, todo o líquido negro. E antes que se desse conta, estava novamente enxergando apenas com dois olhos.

— <<Incrível!>> – murmurou Aidan com assombro.

O africano imediatamente voltou os olhos para o chão, para os jeans esfarrapados e a barriga coberta pela camisa suja e rasgada. Ajeitou a mochila com o dinheiro nas costas, pra ter certeza que ainda estava lá. Tudo que vestia continuava com ele, dentro do piche, mesmo que não tivesse percebido. O surpreendente era que, apesar de ter sido atingido milhares de vezes, não restava nenhuma bala ou arpão depois que o piche desaparecera.

— <<Qual o seu nome?>> – O ruivo indagou.

— <<Abeô. Meu nome é Abeô.>> – respondeu sem tirar os olhos do chão. Ouviu Aidan inspirar mais fundo, como se tivesse levado um susto ou fosse falar alguma coisa e tivesse desistido.

— <<E há quanto tempo você sabe que é diferente, Abeô?>>

Surpreso, o africano analisou rapidamente a expressão do homem agachado à sua frente. Nunca tinha pensado em usar aquela palavra para descrever suas maldições. No mundo em que crescera, tudo vinha ou de Deus ou dos demônios. E como sabia, desde pequeno, que Deus o odiava… Isso sem falar, é claro, dos feiticeiros das tribos vizinhas. Sempre ouvira que a magia negra era capaz de fechar o corpo das pessoas contra quase todos os males. O preço, é claro, era a alma da vítima, o que explicava, para Abeô, o fato de só ter interesse em homens.

— <<Desde pequeno.>> – respondeu enfim.

— <<E os militares já tinham te atacado antes?>> – continuou Aidan – <<Por isso você estava em Manaus?>>

— <<Não. Eu estava juntando dinheiro. Para salvar minha irmã pequena.>>

— <<De quê?>>

Mesmo com o rosto voltado para o chão, Abeô quase sentia o calor dos olhos de Aidan avaliando-o.

— <<Ela é como nós. E quando descobrirem…>> – o africano interrompeu-se. Nunca tinha falado sobre nada daquilo em voz alta. Temia que, de alguma forma, suas palavras atraíssem má sorte.

No silêncio que se seguiu, o calor dos olhos do ruivo continuava, nítido, sobre a cabeça de Abeô. Até a voz grave soar à frente dele, séria:

— <<Qual a idade dela?>>

— <<Sete. Oito daqui três meses.>>

Aidan estalou a língua em desaprovação, ao que o africano ergueu o rosto, surpreso. Observou que o ruivo agora tinha a cabeça baixa, meneando pequenas negativas com a cabeça enquanto pensava.

— <<Tem certeza que ainda quer trazer uma criança para cá, com o risco dos militares aparecerem a qualquer momento?>>

Num piscar de olhos, Abeô imaginou os encouraçados disparando contra Shanumi. Ela não tinha uma camada de piche que a protegesse, nem labaredas curativas caso fosse ferida. Sem perceber, o africano começou a respirar cada vez mais rápida e superficialmente, os pensamentos dançando entre os possíveis destinos da irmã. Não havia escolha boa. Havia apenas a morte certa ou o risco de vida.

O africano prendeu a respiração quando sentiu a mão quente e macia de Aidan pousar sobre seu ombro enquanto a voz gravíssima balbuciava:

— <<Tudo… tudo bem… Nós… Nós vamos trazê-la…>>

Uma onda de tremores nasceu no ponto em que o ruivo lhe tocara e, rapidamente, espalhou-se por todo o corpo, eriçando cada pelo e poro. O coração começou a chutar, com força, para fora do peito, rápido, pesado e dolorido como o galopar de um milhão de cavalos. Surpreso, ele ergueu o rosto e os olhos apenas para perdê-los no verde profundo dos de Aidan, que também estava obviamente surpreso. E enquanto sentia o fôlego morno do ruivo misturar-se ao seu, Abeô percebeu a surpresa no rosto do outro transformar-se, rapidamente, em indignação e raiva. Ainda assim não conseguiu parar de fitar aqueles olhos, mesmo quando ele retirou a mão tatuada de seu ombro e ergueu-se, dando-lhe as costas enquanto rosnava:

— <<É melhor você ficar aqui!>>

Então, perplexo e assustado, Abeô observou Aidan se afastar até desaparecer no meio da mata.

 

Comentários

Facebook

%d blogueiros gostam disto: