BN Tales – Kaendhi e Thordin

Um conto no mundo de Rainbow Crystals

Em 2015, eu tinha lido uma matéria sobre uma foto de um casal gay tirada no metrô de Bangcoc, onde Naparuj Mond Kaendi estava de mãos dadas com o namorado Thorsten Middelhof.

A foto viralizou no mundo todo porque as pessoas não entendiam como o alemão, alto e encorpado, estaria namorando com o tailandês, mais baixo e magrinho.

Pior de tudo eram os comentários preconceituosos contra Kaendi, quando li a respeito no Facebook. Essa atitude me inspirou a escrever um conto, que se passa no mundo dos Contos de Berds, que é o mesmo mundo da minha ambientação de RPG queer, Rainbow Crystals.

E com vocês…


Kaendhi e Thordin

— Quando me disseram que o Celebratio Amicitia era um dos maiores festivais da cidade de Aequalidas, achei que as histórias eram exageradas. – Dizia Kaendhi, enxugando o suor da testa.

— Eu te disse. – Respondia Thordin, esboçando um leve sorriso. – É incrível como eles conseguiram reconstruir a cidade depois da tentativa de golpe do ministro da justiça…

E realmente Aequalidas estava mais bonita do que nunca. E mais colorida também. Visitantes dos nove reinos vieram prestigiar o festival. A maioria eram de jovens aventureiros em busca de admissão em uma guilda, o primeiro passo em busca da fama e glória. Mas também haviam heróis mais experientes que, por um motivo ou outro, buscavam novos companheiros de aventuras, como Kaendhi e Thordin.

Os dois se conheceram por acaso. Kaendhi havia acabado de se formar na Academia Arcana de Lorem como um Mago Espontâneo e ingressou em uma guia pequena, os Audax Laminus. Entre os membros daquela guilda estava Thordin, o bárbaro força-bruta do grupo.

O entrosamento entre os dois nas batalhas era perfeito. Apesar de ser um recém-formado, Kaendhi dominava com maestria as magias de cura e de bonificação na batalha, tornando Thordin uma máquina de combate invencível. E desse companheirismo de batalha surgiu um sentimento maior.

Mas como os Audax Laminus não viam esse tipo de relacionamento como uma coisa boa para a guilda, os dois foram convidados a se retirarem. Desde então, agem como aventureiros independentes, status que querem mudar no festival.

Kaendhi estava folheando o Guia de Guildas ao lado de Thordin caminhando pela rua quando ouve um burburinho:

Realmente um desperdício…

Ele é um mago, vai ver usou alguma poção do amor…

Só assim mesmo, porque com aquela cara…

Kaendhi já havia passado por aquilo antes. Desde que assumiu um relacionamento com Thordin foram milhares de piadas, comentários maldosos, ressaltando o porquê de um homem tão bonito como Thordin namorar alguém como ele… Geralmente ele ignorava, mas não desta vez:

— Algum problema, senhores? – Disse virando-se para o grupo. Eram três. Pelas vestes pareciam magos. Um deles, que parecia ser o líder, um elfo alto, pele branca com um corpo escultural se pôs à frente.

Eu estava dizendo que você deve ter feito algum feitiço para ter um guerreiro de alto nível como este ao seu lado. – apontando para Thordin. – Porque essa é única explicação plausível para justificar vocês dois juntos.

Os outros dois riam da provocação do elfo. Kaendhi chegou a esboçar um feitiço quando Thordin se pôs entre ele e o elfo.

Então você julga que o que eu sinto por Kaendhi é efeito de algum feitiço?

Com certeza… Um guerreiro do seu não naipe deveria andar com alguém como ele… – Respondia o elfo devorando o bárbaro com os olhos.

— Sabe, você está certo… – Respondeu Thordin, para espanto de Kaendhi, que ouvia aquilo sem acreditar. – Kaendhi me enfeitiçou desde o primeiro minuto que o vi – completou Thordin. – Desde então me apaixonei pela sua beleza ímpar. Porque aos meus olhos, ele é o meu norte, minha alma gêmea, minha inspiração e minha vida.

Kaendhi ouvia aquelas palavras, atônito. Thordin nunca foi de muitas palavras, mas naquele momento parecia estar falando por uma vida inteira. Mais espantosa ainda era a cara de asco do elfo, que não acreditava no que ouvia.

Mas você poderia ter quem quisesse, porque…

Justamente. – interrompe Thordin – Eu já tenho quem eu quero. E se você e seu grupinho continuarem com essas insinuações, vou garantir que suas línguas sirvam de alimento para os ratos do esgoto. Isto é, se eles sobreviverem ao veneno delas.

O elfo e seus dois acompanhantes se afastam do grupo indignados. Kaendhi ainda estava entorpecido pelas palavras que ouvira de Thordin, que se aproxima e segura a sua mão.

Sabe, estive pensando…

Em quê?

Eu esperei tempo demais. Se há algum lugar onde nosso amor é aceito é aqui em Aequalidas… Por isso, eu queria me aproveitar este festival que celebra os laços afetivos e quero casar com você! Aceitas?

O jovem mago quase desmaia com a proposta do bárbaro. Quando volta a si, em seu rosto havia um sorriso que rivalizaria com o próprio brilho do sol…

C-claro que aceito! M-mas como, onde?

Nesse momento, uma gordinha de longos cabelos negros se aproxima dos dois. Ela portava um cajado de madeira com algumas runas entalhadas e uma gema Espinela na ponta. Pelos seus trajes, ela parecia ser uma sacerdotisa ou usuária de magia.

Com licença, eu estava observando o ocorrido de agora a pouco… Eu me chamo Estella e sou clériga de Téllura, a mãe Natureza. Eu gostaria de celebrar a união de vocês dois.

Thordin e Kaendhi se entreolham.

E o que precisamos fazer? Qual seria o custo? Onde seria? – pergunta o Bárbaro.

Na verdade nada. – responde Stella – Tudo o que preciso é que vocês me deem as mãos.

O casal segura a mão da clériga que entoa uma prece, seguida de um brilho que envolve os três, um facho de luz vermelha saí do cajado e se dirige aos céus. Thordin e Kaendhi sentem uma paz de espírito como não sentiam há tempos… e se sentiam mais unidos do que nunca.

Pronto. – Disse a sacerdote, sorrindo. – Perante a terra, os mares e os céus vocês estão casados.

Não imaginava que era algo tão simples… – Disse Kaendhi sorrindo pro agora esposo Thordin, que também sorria…

Meus lindos, na natureza tudo é simples. – Respondeu Estella com uma piscadela – Bom, agora eu preciso ir… Ainda estou na busca por uma guilda e ouvir dizer que haverá representantes da CHANpions aqui em Aequalidas… Um abraço grande e sejam felizes!

E, assim como apareceu, Estella foi embora se misturando na multidão. O casal se sentia mais feliz do que nunca.

Bom, e agora?

Agora, Thordin, precisamos comemorar não acha? – disse Kaendhi, soltando um sorrisinho malicioso e folheando o guia de guildas. – tudo o que precisamos é de um bom local e… ACHEI! – apontando um local no mapa da cidade Casa de Amizade Ovelha Amiga! Eu ouvi dizer que é a melhor da cidade…

Estando com você, pode ser qualquer lugar, meu amor…

E os dois trocam um beijo apaixonado, selando a próxima etapa da aventura de suas vidas…


E sabe o que é o mais legal nessa história toda? Kaendi e Thorsten se casaram em 2017 e vivem felizes o seu amor.

Veja Também

Comentários

Facebook

Comenta aí, berd!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.